quarta-feira, fevereiro 8, 2023
spot_img
InícioAPLBCNTE dialoga com a equipe de transição de educação do governo Lula...

CNTE dialoga com a equipe de transição de educação do governo Lula e entrega documento com pautas emergenciais

Foto: Mariana Leal.

No primeiro diálogo da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE) com a equipe de transição do governo Lula, que aconteceu nesta terça-feira (22), na sede da entidade, os/as dirigentes sindicais entregaram para o coordenador do GT Educação, José Henrique Paim, um documento que aponta pautas emergenciais para o próximo período, tanto para a etapa da transição, quanto para o Ministério da Educação (MEC).

O presidente da CNTE, Heleno Araújo, e a ex-presidente da entidade e senadora eleita, Teresa Leitão, participaram da reunião como membros do GT.

Para a vice-presidente da CNTE, Marlei Fernandes de Carvalho, o objetivo da reunião foi cumprido, o movimento sindical CUTista da educação foi ouvido e se abriu uma agenda de diálogo de forma permanente. “Fomos ouvidos e indagados sobre várias questões e respondemos todas à altura. Nós voltamos a ressaltar que o MEC tem que ter uma política, de fato, indutora da relação dos federados e do sistema de ensino para que a gente possa recuperar a força da educação que nós precisamos ter no país e a CNTE é de fundamental importância neste processo”, afirmou.

O documento apresentado destaca a conjuntura política do momento e que o próximo governo precisará se empenhar para revogar a Emenda Constitucional 95 (EC 95), com a qual se torna impossível implementar as políticas de inclusão social e de valorização dos serviços públicos que o país tanto necessita. Fora a ação emergencial que será preciso fazer antes mesmo de Lula assumir, como a PEC da transição.

A CNTE registra ainda, em documento, que o governo Lula precisa fazer um revogaço de medidas administrativas que impactaram negativamente a educação, como por exemplo, a Lei 13.415 (Reforma do Ensino Médio), e na redução dos currículos escolares, que promovem um verdadeiro apartheid socioeducacional. Além disso, a entidade cita outras pautas prioritárias no documento por eixos: no campo da Gestão Democrática, Financiamento e Valorização Profissional.

O tom da conversa, que aconteceu também de forma online, e contou com a participação de toda a diretoria da CNTE, foi produtiva e respeitosa, segundo a secretária-geral da CNTE, Fátima Aparecida da Silva. Ela destacou o documento entregue pela CNTE, que foi bastante amplo porque tratou de toda a política educacional brasileira, mas ao mesmo tempo representou toda luta da entidade em defesa de uma educação de qualidade.

“Nosso documento pede a retomada das políticas de educação que estavam em curso em 2016, ano em que veio o golpe e destruiu tudo. O próximo ministro da educação vai ter que ter um diálogo mais permanente com a sociedade brasileira, com as entidades representativas de classe e os estudantes, porque a educação é uma das pautas prioritárias da sociedade. Este é só o primeiro momento de diálogo com a equipe de transição, o que nós nunca tivemos nestes quase quatro anos de governo Bolsonaro”, ressaltou Fátima.

A CNTE finaliza o documento apontando que espera contar com esse compromisso na gestão do MEC, e de todo governo Lula, e que novas propostas vão ser enviadas depois de mais debates internos da entidade. “Em março de 2023, a CNTE promoverá sua 4ª Plenária Intercongressual, visando atualizar o plano de lutas da entidade e apontar propostas da categoria para o governo Lula. Portanto, além das contribuições ora repassadas neste documento, em breve, a Confederação encaminhará novas pautas para a futura gestão do MEC”, diz trecho final do documento entregue ao GT educação da equipe de transição do governo Lula.

RELATED ARTICLES

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Advertisment -...

Most Popular

Recent Comments