Jovens de comunidades Recaatingueiras discutem a Comunicação para a Convivência com o Semiárido

0
21

Jovens com a idade entre 14 a 26 anos, provenientes das Comunidades Tradicionais de Fundo de Pasto, onde é desenvolvido o Recaatingamento, nos dez municípios Território Sertão São Francisco, participaram da primeira formação do projeto “Jovens comunicadoras/es populares do Projeto Bem Diverso”, que aconteceu nos dias 10 e 11 de julho,  no Centro de Formação Dom José Rodrigues, em Juazeiro – BA.

Com o tema: “Comunicação para Convivência com o Semiárido e noções de jornalismo”, o encontro reuniu 28 jovens, que foram estimulados a realizar a prática da comunicação como forma de participação e transformação social, através da leitura crítica da mídia, da luta para que ela seja mais democrática, a produção de conteúdos críticos e contextualizados com a Convivência com o Semiárido, entre outros princípios da educomunicação, comunicação comunitária e popular.

O jovem Natanael Passos, da comunidade Pedrinhas, em Remanso, estudante da Escola Família Agrícola de Sobradinho – EFA, acredita que esse projeto de comunicação vai contribuir para fortalecer o Recaatingamento na comunidade, a partir da produção de matérias, vídeos, divulgação nas redes sociais, ressaltando a importância da juventude rural serem os/as protagonistas dessas ações.

“Tudo que aconteceu comigo, aconteceu depois que o Recaatingamento chegou … eu tive a oportunidade de ingressar na EFA, conhecer a pedagogia da alternância, conhecer a realidade da minha comunidade e não ter essa ideia de partir pra São Paulo, fazendo o êxodo rural. O Recaatingamento não mudou só meu pensamento. Mudou minha comunidade e agora eu tô aqui discutindo a comunicação”, declara o jovem Natanael.

A formação foi facilitada por colaboradoras/e do Eixo Comunicação do Irpaa, que através de debates, vídeos, discussões em grupo levaram reflexões de como a mídia pauta o Semiárido, do direito à comunicação e dicas de como produzir conteúdos nas diversas linguagens da comunicação. “Essa primeira formação foi voltada para discutir junto com a juventude o papel estratégico da comunicação na defesa da Convivência com o Semiárido e estimular que esses jovens oriundos de comunidades recaantigueiras sejam produtoras/es de informação e conhecimento  e desenvolva esse trabalho de forma articulada, construindo uma rede de comunicadoras/es”, diz Gisele Ramos, colaboradora do Irpaa.

A estudante da EFAS, Lairlane de Oliveira, da comunidade Bom Sucesso, em Sobradinho, expressou sua vontade de compartilhar com as/os moradoras/es de Bom Sucesso, o aprendizado adquirido durante a formação, com destaque a leitura crítica da mídia. “ Que a gente assista as reportagens, mas conheça os pontos bons e ruins também, isso seria bom para a comunidade para reforçar como é a comunicação e como a gente deve fazer a comunicação dentro da comunidade, com as famílias, com os jovens”, declara Lairlane.

No último dia, aconteceu a construção coletiva do calendário das próximas formações e a definição dos municípios que receberão as/os jovens comunicadoras/es. A próxima atividade do Projeto será o intercâmbio de experiência de comunicação popular no Ceará, onde os/as conhecerão a Fundação Casa Grande, em Nova Olinda.

O projeto Bem Diverso é executado pelo Irpaa, fruto de uma parceria entre o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento – PNUD e a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária – Embrapa.

Texto e foto: Comunicação Irpaa

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here